domingo, 14 de agosto de 2016

DERIVA


DERIVA

Sou um barco à deriva
No meio deste mar
Sem remos, sem bússola
Carrego comigo o peso
De tudo que não consigo
Ou tento resolver
Tento apagar o meu rasto
Entre as ondas deste mar
Revolto em tempestade
Nas lágrimas perdidas
Numa qualquer folha
Talvez de um velho jornal
Dos dias ou das noites
Já escuras da minha alma
Onde o meu corpo arde
De febre só por ti
E em silêncio chamo-te
Gritando alto o teu nome.♡*•❤

Isabel Morais Ribeiro Fonseca