sexta-feira, 27 de março de 2015

CHEGOU A PRIMAVERA

CHEGOU A PRIMAVERA

Ele tinha surgido do nada com a chegada da primavera
Ela sentia-se nas nuvens, achava-se a mulher mais feliz do mundo.
O seu coração já tinha sofrido muito
de um amor que a tinha deixado aos pedaços
a sua alma estava fria, o seu corpo gelado.
Coração magoado voltava sempre para a sua cama fria.
Ela não queria recordar esses momentos que já eram passado.
Só queria pensar agora no hoje, com este novo amor.
                                                                                   

Era importante entregar-se a esta nova paixão.
Ele acaricia o seu peito, envolvendo-a no seu leito
Tirava-lhe o sono, salgava a sua pele, marcava com o desejo.
Do olhar mais carinhoso e do abraço mais apaixonado.
Ensinou-a que é bom amar e das suas palavras saíram flores
Como era e é difícil ler o seu silêncio
Ele tinha chegado e entrado na sua vida com a primavera
Fizeram da vida uma opção silenciosa.
Onde o silêncio também é e pode ser sempre uma festa.
 
Isabel Morais Ribeiro Fonseca

sábado, 21 de março de 2015

"QUERO TUDO"

"QUERO TUDO"

Meu amor de ti
De ti quero tudo
Quero as nossas horas
De um beijo apressado
Os nossos momentos
De um abraço apertado
Os nossos minutos
De um olhar sentido
Tu e eu não somos fáceis
Somos a tempestade e a calmaria
O sossego e o desassossego
O amor e a paixão
É como se tu e eu fôssemos "só nós"
 
Isabel Morais Ribeiro Fonseca

segunda-feira, 16 de março de 2015

"METADE DE MIM ÉS TU"

"METADE DE MIM ÉS TU"

Sofro por não te ver, sofro se te perder
Palavras feitas de silêncios, esquecidas no sótão
Longe de perder os teus gestos, os teus afetos
Onde o sorriso embala a tua, a minha alma
Durante todos os segundos, minutos
Horas, dias, meses e anos
No silêncio da noite os nossos corpos
Estão sobre os lençóis amarrotados de linho
Noite de todos os segredos desvendados
Que o tempo despertou em versos solitários
Onde a felicidade vive agitada, sem tempo de recordações
Da fome das palavras que dizíamos no nosso silêncio
Olho-te, sinto o teu pulsar, és como um vulcão
Num laço apertado de desejo, de amor.
Porque metade de mim é amor e a outra metade és tu.
 
Isabel Morais Ribeiro Fonseca

segunda-feira, 9 de março de 2015

"HÁ UM CORAÇÃO"

"HÁ UM CORAÇÃO"

Há um lugar em mim
De onde mais ninguém tem acesso
Há um sitio, onde não me ausento
Há um cantinho, que eu não saio
Há um sitio, que é intocável
Há um coração, onde eu não quero sair
Onde é tudo intocável
De onde mais ninguém tem acesso
Que não me ausento, de onde permaneço
Esse lugar és tu, meu amor
Há um lugar no teu sossego
Do nosso desassossego
Que nos teus braços, nos teus beijos
Que me transportam para longe
Para as tuas mãos perdidas em mim.
Num afago lento, numa paixão declarada
A minha pele é tua, a tua é minha.

❤◦.¸¸.◦❤◦.¸¸.◦❤ ❤◦.¸¸.◦❤◦.¸◦❤

  Isabel Morais Ribeiro Fonseca