domingo, 27 de outubro de 2013

AUSÊNCIA

 AUSÊNCIA

Meu amor
Perdoa a minha ausência
As mensagens não respondidas
Os telefonemas não atendidos
A falta de palavras
Os erros
As lágrimas
A falta de abraços
De beijos
De carinhos, de amor
Por não saber explicar-te certos sentimentos!

Isabel Morais Ribeiro Fonseca

sexta-feira, 25 de outubro de 2013

VESTES

VESTES

Despi as minhas vestes
Vesti-me de solidão
Deixaste-me com uns restos
No corpo
Na alma
No coração
Um olhar triste
Lágrimas, choro
Mãos vazias, aflitas
Coisas mortas, ideias soltas.

Isabel Morais Ribeiro Fonseca

quarta-feira, 23 de outubro de 2013

QUENTE

 QUENTE

Mágoas, esquecidas
Ódio que mata
Saudades do fado
Tristeza perdida
Desejos realizados
Carinhos recebidos
Abraços sentidos
Beijo salgado
Coração apaixonado
Amor ardente
Do coração quente.

Isabel Morais Ribeiro Fonseca

segunda-feira, 21 de outubro de 2013

PÉS NO CHÃO

PÉS NO CHÃO

.........Meus pés tocam o chão
Os teus olhos vêm na minha direção
Tu és o meu farol quando estou perdida
O sofrimento que chega de noite
Somente o sono ameniza a minha dor
Quero viver com o teu sorriso e o teu olhar
Corro paro o mar para lembrar-me de ti
A brisa e o vento, traz-me o que eu não quero esquecer
Entre os soluços e as lágrimas do meu choro
...........É nos teus braços o meu lugar
Contemplo as estrelas e a minha solidão
É mais que uma emoção que aperta o meu peito
Não quero estar sem amor, sem luz e sem ar
..........A madrugada esta fria sem ti
Tu és a parte da minha vida que eu desconhecia
És a presença que habita dentro de mim
...................Nos meus dias e noites
Consigo escutar o silêncio da tua alma
Que me falas e quando eu leio os meus poemas
Encostada no teu ombro, adormeço e descanso feliz

Isabel Morais Ribeiro Fonseca


quarta-feira, 16 de outubro de 2013

CAMINHO DA LUZ

 CAMINHO DA LUZ

A escuridão que beija a noite
Das almas perdidas no tempo
Que encontram-se na escuridão
Dos seus medos e do silêncio
É necessário libertá-las das trevas
......No caminho para a luz
No sono da morte, o julgamento de Deus
Que seja misericordioso na nossa escuridão.

Isabel Morais Ribeiro Fonseca

segunda-feira, 14 de outubro de 2013

"ABRAÇOS"

 "ABRAÇOS"

Hoje acordei
A sentir a falta de um abraço
E um beijo teu
De uma palavra de carinho.
De sentir a falta da tua presença
E do teu sorriso
De sentir o teu olhar
E sentir o doce do teu beijo.
Beijar-te até ficar sem fôlego.
Hoje eu só queria olhar-te e abraçar-te.

Isabel Morais Ribeiro Fonseca

sexta-feira, 11 de outubro de 2013

"GESTOS AMOROSOS"

 "GESTOS AMOROSOS"

Sei que te pareço ausente, fria e distante
Toma-me nos braços sem fazer perguntas
O sol de inverno secou as minhas lágrimas
Chuva de outono secou as minhas dores
E tu tornas-te a minha terra fértil
Plantas-te os meus novos amores
Rondaste o meu corpo deste castelo solitário
Como as águas de um rio de vozes e de gestos
Conheci o teu fogo, o teu agrado
Teus olhos fulminaram o meu desejo
A tua voz são as ondas do mar, de fogo e mel
Beijos ardentes raros e belos
Deste-me um banquete de os teus odores
Eu amo-te sussurras-te ao meu ouvido.

Isabel Morais Ribeiro Fonseca

quinta-feira, 10 de outubro de 2013

"CHEIRO DOCE"

 "CHEIRO DOCE"

Numa noite de chuva sinto
O cheiro doce da tua boca
Nascente pura
Do teu beijo molhado
Da chuva que molha as camélias
Flores de todas as cores, lindas e belas
Desse teu corpo que brota o aroma deste suave perfume
Romance com sensações dos desejos eriçados da pele
Dos teus lábios macios e molhado
A tua presença que de mim não sai
Visão que causa arrepio,  prazer e dor
Recheado de ais, de suor
Meu amor, que esta noite não passe depressa.

Isabel Morais Ribeiro Fonseca

quarta-feira, 9 de outubro de 2013

Estão a chegar e são tão bons.


Estão a chegar e são tão bons.
Cogumelos, dos nossos montes,
das nossas terras.
Neste imenso território transmontano.

segunda-feira, 7 de outubro de 2013

"É TRISTE ENVELHECER"

" É TRISTE ENVELHECER"

É triste envelhecer
Não tenho medo da morte, claro que fujo dela
Tenho medo ficar sozinha numa cama, de um hospital, de um lar
À espera de um carinho, de uma pessoa estranha
Dos olhares de dor, solidão
Já olharam para dentro dos olhos, de um idoso?
Então olhem porque tem dor, dor, dor,
Solidão, escuridão, quando passar por um velhinho
Mesmo que não o conheça, dê-lhe um abraço
Ele pensará que és maluco, mas verás os olhos dele a brilhar
A dor terá desaparecido, é duro ver os outros a sofrer
É o que eu encontro e sinto no meu trabalho
Estas pessoas que um dia já foram amadas e felizes
Hoje vivem na escuridão, no abandono, por os familiares e parentes
Ficam à espera de carinho e compreensão,
De uma palavra amiga, de alguém que as oiçam
Hoje só resta um carinho de todos os que trabalham.
Com estas pessoas, doentes da idade
Alegres e felizes com falta de amor
Que só sentem o abandono de quem amaram
E já os esqueceram, não sabem se estão vivos ou mortos
Abandonados à sua sorte nesta imensa solidão
De ser velho seja na cidade, vila ou aldeia, é triste ser-se velho.

Isabel Morais Ribeiro Fonseca.

domingo, 6 de outubro de 2013

AMANHÃ

 AMANHÃ

Meu amor ama-me
Mais do que eu posso amar-te
Não me peças aquilo que eu não tenho
Não deixes que a doçura fuja da tua voz

Não procures onde nunca estarei
Não prometas nada, olha-me nos meus olhos
E não te preocupes em ter “Isso” amanhã
Vive comigo “Isso” hoje sem que “Isso” nos faça reféns.

E ao acordar, quando nascer o sol
“Isso” nascerá novamente
Pois “Isso” que nos une com tanta beleza
É o que eu chamo de amor
Viver hoje " é amar Isso que nós temos "

Isabel Morais Ribeiro Fonseca

sábado, 5 de outubro de 2013

TODOS

 TODOS

.......Todos nós
Nascemos e morremos sozinhos
......Deixamos flores ou espinhos
Entre uma estação e outra
........As flores que plantamos
Que nunca morram
........Que os espinhos
Sejam facilmente esquecidos.

Isabel Morais Ribeiro Fonseca

sexta-feira, 4 de outubro de 2013

UM SINAL

 UM SINAL

Lágrimas que escorrem
Angústia desproporcionada
Tristeza acompanhada
Dúvidas confortam-te
Pedindo demais neste instante
Lágrimas pela sua ausência
Saudade emocional
Lágrimas para alguns
Sinal da distância
Domingos chuvosos
Pedem companhia
Contigo nos cobertores
Faz frio, bom para namorarmos
Lágrimas no meu rosto
Revelam o que posso ter agora
A doce companhia "a tua" .

Isabel Morais Ribeiro Fonseca



quinta-feira, 3 de outubro de 2013

SENHOR

 SENHOR

Senhor, quero sentir o Teu amor
Leva-me contigo para onde fores.
Quero entrar no mar e pedir-te o Céu
Estar contigo na felicidade e na tristeza:
Nos momentos mais difíceis estás sempre presente.
Tu estás sempre pronto para ajudar-me
Mesmo quando eu não mereço.
Ensina-me a amar e a perdoar

Isabel Morais Ribeiro Fonseca

quarta-feira, 2 de outubro de 2013

"LIBERDADE DE AMAR"

 "LIBERDADE DE AMAR"

Desejo de um dia chuvoso
O meu desejo é amar a liberdade
Nesta noite deste mundo vazio
Da incerteza do amanhã
Cada vez mais fortemente
Chuva derrama as suas lágrimas

Lavando tudo aquilo que já foi esquecido
Estranha sensação que percorre o corpo
Corrói a mente, corrói a alma
Atormentando os pensamentos mais profundos
Embora o desejo insano domine a mente

Ainda que reste um pouco de lucidez
Os segundos são como a morte
Quando se transformam em horas vazias
A espera e a paciência são virtudes
Que o homem mortal ainda não conseguiu.
E tenho duvidas que algum dia consiga alcançar.

Isabel Morais Ribeiro Fonseca


terça-feira, 1 de outubro de 2013

NESTE DIA

Neste dia
Quero ser mais otimista
Abrir a janela da alma
Para um novo amanhecer
Lindo e belo de tempo ameno
Deixo-a aberta
Para quem quiser sair
Ou ainda quem quiser entrar
Abro a janela da alma
Do meu coração.

Isabel Morais Ribeiro Fonseca