sexta-feira, 27 de maio de 2016

FRASES ♡*.¸ ¸.*☆*¸.*♡

                           
     

                                .¸¸.*♡*.¸ ¸.*☆*¸.*♡*.¸ ¸.*☆*.¸ ¸.*♡*.¸¸.*☆*


quinta-feira, 19 de maio de 2016

HÁ MEL E FEL


HÁ MEL E FEL

Há dores com e sem dignidade
Há sentimentos já sem amor
Há nostalgias realizadas com a lua
Há memórias com negro luto
Há amores perdidos, esquecidos
Há desejos que são fogo em chamas
Há marcas dos teus lábios na minha pele
Há lágrimas que caiem levando sal
Há deceções difíceis de esquecer
Há experiências que correm sangue
Há cicatrizes difíceis de apagar na alma
Há uma forte loucura no viver de hoje
Há quem prefira a mentira à verdade
Há vidas presas no tempo da saudade
Há sentimentos que são mel ou fel
Há amor que não é correspondido
Há feridas que não se conseguem curar
Há vidas que sem amor é preferível a morte.
╭✿
Isabel Morais Ribeiro Fonseca

terça-feira, 10 de maio de 2016

PEQUENAS ESTRELAS


PEQUENAS ESTRELAS

Hoje acordei muito amargurada
Fiquei deitada por uns momentos
Mas não consegui voltar a adormecer
Os dias estão frios, dias chuvosos
Dias cinzas, dias sombrios na alma
Lembrei-me dos nossos momentos
Das decisões difíceis que temos que tomar
Mas entre o emaranhado de fios desconectados
Refugio-me na imensidão dos pensamentos
Que me assaltam a calmaria do meu coração
Procurando na reticência todas as respostas
Entre os caminhos, os atalhos que me fazem cair
Vejo em ti uma força onde me agarro com unhas
E dentes, entrelaçando a nossa própria dura sina
Nas nossas noites de luar, noites estreladas
Iluminadas apenas pelo brilho das pequenas estrelas.
Onde não há inimigos, não há vitórias, não há derrotas
Só apenas sonhos, transformados em pó.


╲\╭┓
╭★ ╯ ★ ♥ ★
┗╯\╲
Isabel Morais Ribeiro Fonseca


terça-feira, 3 de maio de 2016

DEIXA-ME

DEIXA-ME

Deixa-me os delírios de sonhos lúcidos
Deixa-me os espelhos maquilhagem delicada
Deixa-me a cobertura efêmera numa máscara
Deixa-me o silêncio ferramenta de trivialidades
Deixa-me a insônia de despertares noturnos
Deixa-me as palavras desordenadas na mente
Deixa-me a podridão das esquecidas memórias
Deixa-me chorar para poder molhar-me a chuva
Deixa-me viver para tentar sobreviver nesta vida
Deixa-me afinal que eu sou tudo e sou nada.

♥╭✿╭✿ ♥♥╭✿╭✿ ♥♥╭✿╭✿ ♥

Isabel Morais Ribeiro Fonseca