quinta-feira, 20 de março de 2014

ROUCO ECO

 ROUCO ECO

Mais uma lágrima que cai no chão
Grito rouco do eco que não sai
Uma ilusão sentida e desamparada
Dor e ferida que nunca mais sara
Destroçada....enganada.....perdida
Alma deserta que coração aperta...
No túnel perdi a ilusão da minha emoção
Lobo à espreita...deu-se como satisfeito
Ao engolir meu coração rasgado em pedaços
Banhado no sangue da nossa desilusão .

Isabel Morais Ribeiro Fonseca