quinta-feira, 1 de agosto de 2013

"O XAILE"

 "O XAILE"

O xaile de seda que cobre
O meu corpo é como fogo da carne
Que queima, que arde, que sente
São portas abertas, à fantasia,
Corpo de seda, deitado na areia
Com as velas acesas, no chão dos nossos versos
Corpos nus entrelaçados
Dos nossos poemas escritos com amor
Das mãos que partilham, dos toques subtis
Num quarto de seda, um vaso de rosas, à frente e atrás
São as pétalas, que caiem da nossa paixão
Xaile que arde com o fogo, da carne
Que queima,que sente, a dor arde nas paredes do nosso quarto
São como as velas que queimam, enroscadas em ti

Isabel Morais Ribeiro Fonseca