terça-feira, 16 de julho de 2013

DEPRESSÃO

 DEPRESSÃO

Esta depressão, que me queima a alma
Seca-me o sangue, seca-me o coração
Aperta-me o peito contra uma rocha
Fere-me o corpo com a escuridão
Deste castelo que é esta vida maldita e bela
Com fome e tudo e nada.
...........Sinto-me gelada
Arder no fogo de um tronco da árvore
Do poço profundo que é a minha alma
Olho para mim e não me reconheço
............Já não sei quem sou
Serei um pedaço de carne podre sem sangue sem alma.
Neste mundo selvagem e feio
Como uma peste de inveja e ódio
Sinto a minha alma gelada e morta
.........Como se fosse as águas do rio
Choram de amor, choram de frio
Choram por tudo e por nada.

Isabel Morais Ribeiro Fonseca