quinta-feira, 11 de julho de 2013

ILHA DESERTA

 ILHA DESERTA

Sofro de amor e de solidão
Sou uma ilha deserta, um castelo sombrio
De um poço vazio, cheio de escuridão.
Sinto os meus cabelos brancos como
O despertar de uma borboleta para vida
Um navio pirata que navega depressa
Que não deixa ver o por o sol.
Porque sinto-me a envelhecer
Envelheço se deixar de amar
Nesta ilha deserta tão escura, desta solidão.
Não são os cabelos brancos
Que me impedem de voar
E o meu coração gelado que não sabe amar
Como as aguas desta ilha.
Deste castelo sombrio cheio de escuridão
Tem medo de sofrer nesta noite fria
Como o meu corpo gelado desta, longa solidão.

Isabel Morais Ribeiro Fonseca