sábado, 13 de julho de 2013

SER UM NÚMERO


 SER UM NÚMERO

É triste ser-se um número no trabalho
De fazerem o que querem com o trabalhador
É triste ter mais de quarenta anos
De ter de pensar na possibilidade
De voltar para casa dos pais
É triste ver e sentir as nossas crianças
Terem menos futuro e os nossos velhos
Cada vez mais isolados
É triste ver as terras, sem serem cultivadas
Das nossas aldeias, cada vez mais abandonadas
E nós a vivermos em cima uns dos outros
Em caixotes, a quem chamamos casa
É triste despejarem os nossos idosos das casas
Onde moram à mais de vinte ou trinta anos
É triste ver pessoas gananciosas e invejosas
Que só pensam no seu próprio umbigo
E não são capazes de olhar para o lado
Neste mundo cruel
Onde cada vez estamos mais isolados
Temos medo até de ver o pôr do sol

Isabel Morais Ribeiro Fonseca