segunda-feira, 27 de maio de 2013

AMAR-TE É


 AMAR-TE É

Sofro em silêncio gritando na escuridão
Deste-me um beijo que percorreu todo o meu ser.
Ficou o desejo, de quem ama
Quem ama vive cada momento
Gosto do sol, da luz e do calor
Porque seca-me as lágrimas
Da chuva, porque as esconde
Amar-te é como uma onda do mar agitado
É como a lava do vulcão
É amar-te, amar-te perdidamente
Os teus lábios quentes com amor e ternura
Envolvias-me simplesmente
Passavam no meu corpo num árduo desejo.
Sinto saudades dos momentos
Dos beijos, dos sonhos de mergulhar nos teus braços
E ficar no silêncio a ver a água ir para o mar

Isabel Morais Ribeiro Fonseca