domingo, 10 de abril de 2016

MEU VINHO & MEU PORTO


MEU VINHO &  MEU PORTO

Quando tocas-me nos meus lábios
Deixas-me na boca o teu gosto
E no aveludado da tua pele visto-me
Disfarce da nossa nudez desejada
Onde o gosto do vinho, sente-se na boca
Vinho do Porto do nosso pecado
Sou uma pagã perdida no teu paraíso
Onde os nossos olhares trocaram-se
Nas palavras que no silêncio falaram-se
Tantas e tantas vezes meu amor, tu sabes
Que sou uma louca fugindo do hospício
Ardendo na febre da paixão, dum pequeno toque
Bebo do sal do teu suor, que em mornas gotas
Inundam a minha garganta, embriagando-me de desejo
Nos teus lábios adormecidos, num eterno suspiro
Somos náufragos na maré, despidos de emoções
Sou viciada em ti, neste vicio já dependente
Num sufoco irrespirável para sempre
Somos corpos unidos, num mútuo olhar, pois
Quando tocas-me os lábios deixas-me na boca
O gosto do teu vinho, do nosso pecado, meu Porto.

Isabel Morais Ribeiro Fonseca