terça-feira, 24 de fevereiro de 2015

"ESCANINHOS"

"ESCANINHOS"

Perspectiva em fúria
Saciada eternidade
Consumistas mutilados
Abutres feitos em momentos
Provérbios refletidos
Devoram os escaninhos
Tantas vezes ocultos
Verdades inversas
De quem cala
E não consente
Na vastidão do corpo
Do mistério da alma
Por lapso do tempo
Compasso de espera.
Mesquinho vizinho
Enlouquecido crepúsculo
Candeeiro ilumina o cemitério
Tristeza, choro, mar de infelicidade
Saudade, dor insignificante
Medo sobressaltado
Indiferença de quem não tem
Descaminho desalinhado, espinho alinhado.
 
Isabel Morais Ribeiro Fonseca