sexta-feira, 9 de agosto de 2013

HORAS DE AMOR

 HORAS DE AMOR

Horas de amor profundas
Lentas, caladas
Feitas de abraços
Profundos e longos
Beijos ardentes
Quentes que gelam
Ardem no fogo das noites de volúpia
Noites quentes e frias de inverno
Giestas e fragas
Sombra fresca de verão
Sinto a tua alma como um rio calmo
As tuas mãos percorrem o meu corpo
Horas de paixão
Profundas, lentas, caladas.

Isabel Morais Ribeiro Fonseca