quinta-feira, 25 de julho de 2013

SORRIR AMAR

 SORRIR AMAR

Quero sorrir, amar, viver
Porque não tenho tudo
Mas não me falta nada
Sinto-me amada e sei viver
Dos meus poemas que guardo
Do cheiro do café, das manhãs doces
Da terra molhada depois da chuva
Das ruas desertas de madrugada.
Das noites em que o silêncio tem o tom
De um poema feliz e triste de amor
As horas que envelhecem, ganham pó
Ganham asas, ganham sorrisos
E eu e tu no silêncio de mãos dadas
Só um resto de amor e paixão
Que ninguém sabe que existe ou existiu
Sinto falta de tudo, de nada.

Isabel Morais Ribeiro Fonseca