sexta-feira, 19 de julho de 2013

"ESCRAVOS DA LIBERDADE"

"ESCRAVOS DA LIBERDADE"

Andam os lobos pelos montanhas e serras,
Entre as giestas e fragas ao vento, a chuva
Com a liberdade que nós queríamos ter
Somos escravos de nós próprios
Escravos desta vida maldita e bela
Explorados, humilhados, roubados, amaldiçoados
Sem humildade, sem compaixão e sem perdão
Vivemos nas trevas e não sabemos
Carne podre, apodrecida sem verdade, sem instinto
Sem vergonha e sem liberdade, é o que nós somos
Com medo de nós próprios
Vivemos em caixotes, cavernas geladas
Sem amor, sem humildade, sem perdão
Matamos por prazer, sem dó, nem piedade
Somos mais frios que os lobos
Que caçam para comer e não por prazer
Vivem em liberdade e não enjaulados, como nós
Agarrados a coisas inúteis e fúteis
Afinal quem somos nós?
Selvagens, explorados, amaldiçoados
Escravos de tudo e de nada
Seremos lobos ou não!?
Como podemos ser
Se vivemos enjaulados, de nós próprios
Com medo da nossa sombra
Andam os lobos, nos montes e serras
Gozando a liberdade que tanto aspiramos
Mas temos medo da liberdade que sonhamos e queremos
Somos escravos desta vida maldita e bela
Roubados, humilhados e sem perdão

Isabel Morais Ribeiro Fonseca