sexta-feira, 28 de junho de 2013

MENTIRAS

 MENTIRAS

.........Choro de amor
De alma perdida nesta noite
..........Escura que é a minha vida
Lágrimas de cristais, de sangue e água
.............Que escorrem dos meus olhos
Que cortam a minha alma ferida
.........E perdida neste rolo de mentiras
Escorrem e gelam, das palavras não ditas
Transformam-se em punhais, ferem-nos o corpo vazio
...........Estas lágrimas soltas, amargas e sofridas
São veneno para um coração, que procura sempre a verdade
E ficam com a saudade, de ver o amor verdadeiro com alegria
Dos corpos entrelaçados sem dor, sem magoa e sem mentira.

Isabel Morais Ribeiro Fonseca