quarta-feira, 3 de julho de 2013

POÇO DE ÁGUA

 POÇO DE ÁGUA

És um deserto, na minha alma
Num poço profundo
E cheio da água mais pura
Onde sacio a minha sede
Sede de amor, paixão e liberdade
As tuas mãos entrelaçadas nas minhas
Suadas, quentes e frias
Da tua barba que pica-me
O meu corpo como uma tempestade
De vento que geme de frio
Derretes o gelo com o teu calor
Como uma fogueira que arde de amor.

Isabel Morais Ribeiro Fonseca